Calos Maternos

O que só na prática aprendemos

No domingo passado comemoramos o dia das mães e quero aproveitar a crônica de hoje, para abordar um assunto sobre o mesmo tema.

Não! Esse não é mais um texto que trata dos encantamentos da maternidade. Dessa vez, o objeto é outro e, infelizmente, ainda considerado um tabu para muita gente.

 A maternidade é um universo com inúmeros desafios e cada um deles, um obstáculo a ser enfrentado. Mulheres que por medo de serem julgadas a receber o título de pior mãe do mundo, escondem sentimentos que muitas vezes as levam a uma complicada depressão pós-parto no momento em que estão mais sensíveis e vulneráveis.

O fato é que, poucas são aquelas que realmente apreciam todas as etapas do processo. Para as outras tantas, que não conseguem curtir todos esses momentos, acabam se culpando por estarem remando contra a maré imposta pela sociedade, que nos faz acreditar que a maternidade é plena e perfeita.

Mas quer saber? Eu confesso que não curti amamentar e está tudo bem pensar assim!
“Mas como?” – Algumas mães incrédulas me perguntam. “Como pode não ter gostado de amamentar e sentir o vínculo que se cria nesse momento mágico?” – Insistem no tema, querendo me convencer de que algo que eu já vivenciei e, não gostei, é bom.

De uma maneira geral, se o parto tiver sido tranquilo, o bebê é levado a mãe para a sua primeira mamada poucas horas depois de nascer. Se for uma mãe de primeira viagem, esse é um momento inédito para ela também. Um contato fascinante de aprendizagem e uma emoção diferente de tudo que vivera antes.

O que as pessoas esquecem de falar é que, para que a experiência seja positiva, a mãe precisa ter conhecimento e saber exatamente como proceder com essa majestosa função. Não é fácil amamentar. É preciso saber a maneira correta da posição do bebê, de como ele deve encaixar no seio, e até mesmo que o formato do mamilo, influi para que o processo funcione bem. Poucas são as mulheres que recebem essas preciosas informações antes da primeira experiência.

As enfermeiras quando trazem os bebês para a primeira mamada, explicam os conceitos básicos, mas nem sempre são suficientes para orientar integralmente uma mãe inexperiente. A situação ainda é mais crítica quando nesse primeiro momento, o filho engata no seio com maestria, fazendo com que a profissional acredite que aquela mulher domina o assunto.

Mas, você lembra da lei de Murphy? É só sair do hospital que a conexão perfeita começa a descer ladeira abaixo. Nesse caso a única solução é aprender na marra e comprar um estoque de pomadas salvadoras para aliviar as dores dos seios feridos.

A hora da amamentação se torna um verdadeiro ritual, com diversas artimanhas para minimizar o desconforto causado pela falta de conhecimento. Primeiro, a mãe se acomoda em uma poltrona confortável. Em seguida, posiciona uma almofada específica para amamentação, para poder ajeitar bem o bebê. Na continuação, a mulher libera o fecho do sutiã, e por último, retira a “concha” que está protegendo a pele. Uma engenhoca de plástico que foi inventada para ajudar as lactantes, e tem a função de armazenar o leite materno que fica constantemente gotejando, como uma torneira danificada.

Depois de toda a preparação, chega a hora mais difícil. O encaixe! O bebê se aproxima com a boquinha já na posição perfeita, mas que esconde o verdadeiro poder destrutivo que tem. Os segundos prévios ao engate passam com lentidão, dando tempo suficiente para a mãe observar uma cena curiosa. De um lado, o seu filho esfomeado ansiando pelo peito, e do outro, o seio rachado e ferido. Duas imagens que não combinam.

Quando o bebê finalmente alcança seu objetivo, a mãe decola em uma dolorosa viagem que dura intermináveis segundos. O tempo que as primeiras sugadas levam para anestesiar o seio, fazendo com que a dor regrida lentamente, enquanto ela aos poucos vai se recuperando da agonia que muitas vezes a leva as lágrimas.

Para muitas mulheres esse martírio dura pouco, até que a pele se acostume com o atrito da amamentação, um pouco parecido com o processo que ocorre nas mãos dos músicos, ou mesmo nos pés das bailarinas. Mas, existem casos onde essa dor persiste até a última mamada oficial do filho. O fato é que cada uma de nós somos diferentes e sentimos sensações distintas, e precisamos aprender a não julgar aquelas que tem motivos de sobra para não gostar de amamentar.

15 comentários em “Calos Maternos

  1. Muito boa crônica. Descrição perfeita e detalhada para nós homens, que nunca viveremos essa “maravilhosa” experiência. Arrrg!
    Me emocionei com o descrito. Quase fui às lágrimas. Não pelo texto, mas pela dor que cheguei a sentir, a qual se refletiu no meu órgão genital, que a parte mais sensível e protegida do meu corpo.

    Curtir

  2. Deliciosamente informativo para muitas mulheres que sofrem para amamentar. A vida nunca é igual para todos e o prazer de alimentar uma criança pode ser sentido de outras formas sem sofrimento para as mães. Além de agradável o conto é muito útil para as mães e para todos que querem conhecer a realidade.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Muito bom o conto, que serve como um alerta p que as mamães se previnam antes da primeira mamada.
    Mto certo Luciana, passar tua experiência através de um mto bem escrito conto, sem fantasia, mostrando a realidade da primeira mamada
    Gostei mto!
    Parabéns e até o próximo
    Eloha

    Curtido por 1 pessoa

  4. Você descreveu com precisão e emoção o que é a amamentação! Passei por isso há 12 anos atrás, mas agora lendo, revivi alguns desses momentos dramáticos 😬
    Alimentar deveria ser a única preocupação, não é o caso julgar se vem do peito ou da mamadeira! Parabéns, muito bem elucidado. Espero que muitas mães tenham a oportunidade de ler esse texto ❤️

    Curtido por 1 pessoa

  5. Não pude amamentar, meu corpo não produziu o leite tão necessário e por isso me senti muito culpada. Chorei várias vezes por isso. Mas hoje meu filho é um lindo e saudável jovem e não me sinto mais culpada.

    Curtido por 1 pessoa

  6. Luciana,
    Crônica bem escrita e sobre um tema sensível. Acho que você abordou a amamentação de uma forma sincera e original: deverá ser útil a muitas mães que carregam um peso desnecessário por encarar algo natural como um tabu.
    Parabéns!

    Curtir

  7. Sempre gostei da forma corajosa e sincera que você sempre expôs as dificuldades pelas quais passou ao amamentar. Esse conto, muito bem escrito, com certeza vai ser muito útil para muitas mamães.
    Parabéns!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s