A divindade do ofício de ser mãe.

“Grande parte da humanidade é mãe, a outra parte é filho dela.”

Um abraço virtual através de aplicativos que hoje salvam o nosso tédio. Um olhar distante desde o portão da casa, mantendo a distância recomendada. Uma ligação para escutar a voz conhecida e aquecer o coração. Sortudas são aquelas que estão em isolamento junto com seus filhos, e poderão efetivamente abraçá-los nesse segundo domingo de maio. Para grande parte das pessoas esse ano a comemoração será bastante incomum.

Ao longo da história, a sociedade criou esse dia para agradecer e exaltar a todas as mulheres que são o verdadeiro portal de acesso dos seres humanos à terra. A única maneira que uma alma tem de iniciar uma vida no planeta. 

E como festejar em tempos de quarentena?  

Existe a família acostumada a se reunir na casa da matriarca, para comer aquela lasanha recém feita, onde o aroma extrapola os limites geográficos da residência. Este ano, com o distanciamento obrigatório, a solução é pedir o passo a passo e tentar fazê-la sozinha, e com um pouco de imaginação, buscar na memória as lembranças do sabor da receita familiar, porque igual nunca será. Um dia, ainda ficará provado que as mães escondem a sete chaves as receitas originais de seus quitutes, só para ter o prazer em escutar, “igual a sua não há”.

Para os mais audaciosos, habituados a se aventurar em enormes filas nos restaurantes, a solução é encontrar um bom lugar que ofereça delivery e assim saborear uma agradável refeição no sossego do lar.

Há também as mães que estão sozinhas, em um isolamento forçado por suas condições de saúde e por fazerem parte do grupo de risco. Para essas mulheres a valentia será sua maior habilidade nessas 24h do domingo, quando terão que enfrentar o dia como se fosse uma verdadeira prova de superação.

Mas, o que é ser mãe de verdade?

A mãe pode ser biológica e ter sentido as dores do parto ao trazer sua cria ao mundo. Pode também ser a mãe de coração, escolhendo a benevolente missão de cuidar do filho desejado. Há também as mães dos pets, que fazem o impossível para cuidar da prole de quatro patas, mas, existe ainda uma outra categoria de mãe, que não se encaixa em nenhuma dessas opções, mas que carrega esse mesmo sentimento genuíno das demais.

Pessoas que não levam o título oficial, mas que sabem direcionar um olhar fraternal a um sobrinho amado. Sabem externar palavras de alento a um amigo desanimado, ou até mesmo, não esquecem do vizinho solitário o convidando para um café com bolo em um fim de tarde. O zelo é a natureza da função “mãe”, e qualquer pessoa que tenha essas qualidades é apta para o ofício.

Em uma ocasião, conheci um pai que participava de todas as atividades escolares de seu filho, não importava a situação. Variava desde as mais banais até as mais importantes, mas ele estava sempre lá, presente. Ele era mais mãe, do que muitas mães espalhadas por aí. 

 O que define a pessoa no papel de mãe é a empatia, e o que ela faz pelo próximo. Quando tira e oferece o seu o próprio agasalho, para proteger a quem sente frio em um dia mais fresco. Quando deixa de comer, porque o alimento não alcança para todos, ou quando se priva de um sonho, porque o dinheiro só consegue financiar o sonho do outro.

O que para muitas pessoas algumas dessas atitudes podem parecer irracionais, para as “mães” isso é o obvio, é o natural. Simplesmente fazem porque querem. Porque se sentem bem, e porque a sua felicidade está diretamente relacionada a felicidade do outro. Essa é a verdadeira essência do cargo que ocupa.    

Feliz dias das mães para todos. 

13 comentários em “A divindade do ofício de ser mãe.

  1. Ótima crônica, falando o significado certo da palavra MÃE
    Uma bela homenagem aquela que gera, de uma maneira ou de outra, a outra parte do mundo
    Parabéns!

    Curtir

  2. EXCELENTE HOMENAGEM PARA MÃES. !!!TODAS SE SENTIRAM ACARICIADOS COM TUA CRÔNICA. PARABÉNS. …..FELICIDADES A TI TB….ABRAÇO.

    Curtir

  3. Belo texto. É o que todo filho devería dizer sôbre sua mãe em agradecimento. Que sejam todos assím , agradecidos!

    Curtir

  4. Que lindo, Lu!!!
    Você com muita sensibilidade homenageou nesse conto todas as mães !
    Parabéns!
    Um beijo carinhoso para você que sei é uma mãe muito especial!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s